Cancer de Pele.net.br - Dr Gustavo Alonso

Pesquisa rápida:

Cirurgia no câncer de pele

O tratamento do câncer de pele segue os mesmos princípios do tratamento de qualquer câncer. O primeiro tratamento é o que tem a maior chance de cura! Isto é, devemos escolher sempre o melhor tratamento possível, que tenha a menor chance de recidiva e o melhor resultado cosmético e funcional na primeira tentativa.

A cirurgia é na maioria das vezes o melhor tratamento para o câncer de pele, tendo os melhores índices de cura com baixo risco de recidiva. A escolha por tratamentos não cirúrgicos deve ser feita quando o paciente não tiver condições médicas de fazer cirurgia.

Na cirurgia remove-se o tumor mais uma margem de segurança de pele sadia. Esta margem de segurança varia de acordo com o câncer a ser tratado.

Tumor Margem
Carcinoma Basocelular 0,3-1,0 cm
Carcinoma Espinocelular 0,5-1,0 cm
Melanoma 0,5 a 2,0 cm

 

Passo a passo de uma cirurgia de carcinoma basocelular. A-Carcinoma basocelular em face. B-Marcação de margem de 0,5 cm. C-Margem de segurança demarcada. D-Resultado final da cirurgia após reconstrução. Quer ver mais [url=www.cancerdepele.net.br/carcinoma-basocelular]imagens de carcinoma basocelular?[/url] Passo a passo de uma cirurgia de carcinoma basocelular. A-Carcinoma basocelular em face. B-Marcação de margem de 0,5 cm. C-Margem de segurança demarcada. D-Resultado final da cirurgia após reconstrução. Quer ver mais imagens de carcinoma basocelular?

Por vezes os limites do tumor podem ser difíceis de serem delimitados. Nestes casos o uso da dermatoscopia  pode ajudar a delimitar melhor o tumor e conseqüentemente as margens de segurança.

O uso da dermatoscopia para melhor delimitar um carcinoma basocelular de pálpebra. Note que é difícil dizer onde o tumor começa e termina. A dermatoscopia permite avaliar melhor o tumor, demarcando-o de forma mais correta e garantindo a cura pela cirurgia. Quer ver mais [url=www.cancerdepele.net.br/dermatoscopia]imagens de dermatoscopia?[/url]O uso da dermatoscopia para melhor delimitar um carcinoma basocelular de pálpebra. Note que é difícil dizer onde o tumor começa e termina. A dermatoscopia permite avaliar melhor o tumor, demarcando-o de forma mais correta e garantindo a cura pela cirurgia. Quer ver mais imagens de dermatoscopia?

Se existe dúvida quanto à remoção completa do tumor um exame de congelação pode ser feito durante a cirurgia. Com este exame existe a confirmação de que todo o tumor foi removido. Em casos especiais a cirurgia micrográfica de Mohs transplantados pode ser utilizada.

Após a remoção do tumor é feita a reconstrução do defeito cirúrgico. Dependendo do tamanho do defeito e de sua localização existem diferentes técnicas para esta reconstrução. A preocupação inicial é com a retirada completa do tumor, uma vez removido o tumor a segunda preocupação é com o resultado cosmético e funcional. Mesmo tumores grandes podem ser removidos sem deixar grandes defeitos na face.

Carcinoma basocelular em face submetido a cirurgia curativa. Resultado final excelente, praticamente sem cicatriz.Carcinoma basocelular em face submetido a cirurgia curativa. Resultado final excelente, praticamente sem cicatriz.

A- Paciente com 4 carcinomas basocelulare em face. B- Marcação dos tumores. C-Resultado da cirurgia logo após seu final. D-Resultado final após 4 meses, cicatrizes com excelente aspecto, mostrando que a cirurgia pode curar o câncer de pele com resultado estético excelente.A- Paciente com 4 carcinomas basocelulare em face. B- Marcação dos tumores. C-Resultado da cirurgia logo após seu final. D-Resultado final após 4 meses, cicatrizes com excelente aspecto, mostrando que a cirurgia pode curar o câncer de pele com resultado estético excelente.

 Carcinoma espinocelular grande em região temporalface submetido a cirurgia para cura do tumor. Resultado final excelente, poucas cicatrizes visíveis. Quer ver mais [url=www.cancerdepele.net.br/carcinoma-espinocelular]imagens de carcinoma espinocelular?[/url]Carcinoma espinocelular grande em região temporalface submetido a cirurgia para cura do tumor. Resultado final excelente, poucas cicatrizes visíveis. Quer ver mais imagens de carcinoma espinocelular?

A-Carcinoma espinocelular agressivo em face. B-Margem de segurança de 1,0 cm. C-Resultado final da cirurgia após reconstrução. D-Resultado final após 2 meses, a cirurgia é capaz de curar um carcinoma espinocelular agressivo com cicatrizes discretas.A-Carcinoma espinocelular agressivo em face. B-Margem de segurança de 1,0 cm. C-Resultado final da cirurgia após reconstrução. D-Resultado final após 2 meses, a cirurgia é capaz de curar um carcinoma espinocelular agressivo com cicatrizes discretas.

Autor:Dr. Gustavo Alonso Pereira.

Bibliografia:

    1.Caresana G, Giardini R. Dermoscopy-guided surgery in basal cell carcinoma. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2010 Dec;24(12):1395-9.
    2.Cigna E, Tarallo M, Maruccia M, Sorvillo V, Pollastrini A, Scuderi N. Basal cell carcinoma: 10 years of experience. J Skin Cancer. 2011;2011:476362.
    3.Gulleth Y, Goldberg N, Silverman RP, Gastman BR. What is the best surgical margin for a Basal cell carcinoma: a meta-analysis of the literature. Plast Reconstr Surg. 2010 Oct;126(4):1222-31.
    4.Telfer NR, Colver GB, Morton CA; British Association of Dermatologists. Guidelines for the management of basal cell carcinoma. Br J Dermatol. 2008 Jul;159(1):35-48.
    5.Tovo LFR, Festa-Neto C, Castro CVB, Sampaio SAP. Carcinoma Basocelular. Projeto Diretrizes, volume III. Associação Médica Brasileira ;Brasília, DF : Conselho Federal de Medicina, 2005.
    6.Wong CSM, Strange RC, Lear JT. Basal Cell Carcinoma. BMJ 2003; 327:794-8.

    Balch CM, Gershenwald JE, Soong SJ, Thompson JF, Atkins MB, Byrd DR, Buzaid AC, Cochran AJ, Coit DG, Ding S, Eggermont AM, Flaherty KT, Gimotty PA, Kirkwood JM, McMasters KM, Mihm MC Jr, Morton DL, Ross MI, Sober AJ, Sondak VK. Final version of 2009 AJCC melanoma staging and classification. J Clin Oncol. 2009 Dec 20;27(36):6199-206.